01/11/2014 - A CONTRIBUIÇÃO DO TURISMO DE PESCA PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO NA SERRA CATARINENSE.

 

 

A CONTRIBUIÇÃO DO TURISMO DE PESCA PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO NA SERRA CATARINENSE.

Programa de mestrado em Turismo e Hotelaria

Universidade Vale do Itajaí – UNIVALI/SC

 

Felipe Luiz

A pesca amadora é realizada por aproximadamente 11,5% da população mundial, que gasta bilhões de dólares anualmente para participar desta atividade. Cerca de 4 (quatro) milhões de brasileiros praticam a pesca amadora. O turismo de pesca no Brasil, movimenta anualmente cerca de 1 (um) bilhão de reais, e gera cerca de 200 mil empregos diretos e indiretos.

A região da Serra Catarinense, mais precisamente as cidades de Urubicí e Painel, compõe um dos lugares mais procurados pelos turistas no inverno, a altitude de mais de mil metros acima do nível do mar, proporciona, assim um inverno rigoroso com geadas e nevascas, e torna o cenário natural um grande atrativo turístico.

Destarte, no inverno as cidades de Urubicí e Painel apresentam um fluxo muito grande de turistas, proporcionando benefícios econômicos significativos para a região. No entanto, este fluxo constante no inverno, reduz rigorosamente no verão. Um grande potencial para essas regiões ainda pouco empreendido é o turismo da pesca esportiva da truta, que ocorre justamente no verão, período em que o turismo é pouco explorado nas cidades mencionadas.

A escassez de informações e a dificuldade em reconhecer que a pesca recreativa contribui para o desenvolvimento regional, pode colocar em risco este seguimento do turismo. Informações sobre a magnitude, importância, e os efeitos da pesca recreativa em países em desenvolvimento, se torna relevante para o entendimento e para a adoção de estratégias que visem o desenvolvimento local. Mesmo porque o ordenamento da pesca recreativa pode representar uma alternativa de renda para diversas comunidades, sobretudo aquelas inseridas em áreas mais remotas como as regiões da Serra Catarinense, localizadas em áreas com baixos índices de desenvolvimento humano. Dessa maneira, a elaboração de estratégias que visem o desenvolvimento do turismo de pesca, pode tornar-se uma ação que proporciona melhoria nos índices econômicos, sociais e ambientais da localidade, com a possibilidade de investimentos futuros neste seguimento.

Portanto este projeto de pesquisa tem por objetivo analisar a pesca esportiva e a sua contribuição para o desenvolvimento regional nos munícipios da serra catarinense, mais especificamente (Urubici e Painel), dentro do contexto do desenvolvimento sustentável, atendendo os pilares econômicos, sociais e ambientais.

Este projeto de pesquisa está atrelado ao Mestrado em Turismo e Hotelaria da Univali/SC e conta com o apoio do Ministério da Pesca e da Secretaria Municipal de Turismo das cidades de Urubicí e Painel.

Objetivos da pesquisa:

  • Conhecer a importância dos fatores locais para a promoção do turismo de pesca.

  • Analisar a infraestrutura disponível nos municípios para a prática da pesca recreativa e as relações desta com a economia e turismo local;

  • Descrever o perfil e a situação socioeconômica dos pescadores esportivos;

  • Analisar a interligação entre diversos serviços ligados à prática da pesca recreativa;

  • Valorar economicamente a pesca recreativa nos dos municípios alvo;

  • Analisar a contribuição do turismo pesqueiro para o desenvolvimento sustentável da região.

Assim, com a pesquisa realizada e com os dados consolidados, fica viável a elaboração de relatórios estruturados que permitam mensurar econômica e financeiramente possibilidades de investimentos na região, permitindo retorno não apenas para a comunidade local, mas para investidores que visem oportunidades de lucratividade no negócio.

O projeto teve início em agosto/2014 e tem previsão de duração de 2 anos e ainda não contempla nenhum órgão financiador, apenas apoio. O custo estimado do projeto será de aproximadamente R$ 250.000,00, no qual contempla todos os gastos com estudo, transporte, pesquisa de campo e visita técnica.

O estudo conta com colaboração técnica da Federação Francesa de Pesca Esportiva, que nos últimos 7 anos obteve números econômicos expressivos, contribuindo com o PIB Francês na faixa de 12 bilhões de euros.

Assim, devido a escassez de informações e o potencial econômico do projeto, justifica-se a pesquisa.